Se você investe em ativos da renda variável, como ações e fundos imobiliários ou ao menos acompanha notícias deste mercado, é muito provável que você já tenha ouvido falar na famosa volatilidade.

Mas, afinal, você sabe o que o termo volatilidade representa e como ele pode influenciar nos seus investimentos? Se você deseja que as suas escolhas como investidor tenha sucesso, é importante entender muito bem como funciona esse importante conceito!

O que é volatilidade?

Se olharmos para o dicionário, vamos rapidamente perceber que o termo volatilidade se refere a algo inconstante, que sofre várias mudanças e que está sujeito a variações constantes.

Por sinal, observando justamente essas características podemos fazer uma ponte, interligando a volatilidade com os ativos da renda variável. Para ilustrar o conceito, veja a imagem abaixo:

Volatilidade BBAS3
Ilustração demonstra a variação das ações do Banco do Brasil – BBAS3 em um período de 12 meses.

*Para mais informações e indicadores sobre as ações do Banco do Brasil – BBAS3, clique aqui e acesse a nossa página de indicadores fundamentalistas.

Na imagem, observamos a variação da cotação das ações BBAS3 – Banco do Brasil em um período de 12 meses. Neste relativamente curto espaço de tempo, as ações do Banco, sofreram variações significativas, oscilando entre R$ 21,63 e R$ 51,89.

Obviamente, precisamos considerar que no exemplo acima tratamos de um período em que severos fatores externos afetaram a economia mundial. No entanto, o nosso objetivo aqui não é realizar uma análise das ações do Banco do Brasil, mas apenas utilizar a sua variação para demonstrar o quanto a volatilidade pode afetar os seus investimentos.

Usando o mercado de ações como exemplo, podemos considerar que as variações de preço ocorrem minuto a minuto e que quanto maior essas variações ao longo do tempo, mais volátil é determinada ação.

Veja agora neste outro gráfico, a variação da ação TAEE11 – Taesa, também no período de 12 meses:

Cotação TAEE11
Ilustração demonstra a variação das ações da Tesa – TAEE11 em um período de 12 meses.

*Para mais informações e indicadores sobre as ações da Taesa – TAEE11, clique aqui e acesse a nossa página de indicadores fundamentalistas.

Na imagem podemos observar que neste espaço de tempo, as ações TAEE11 da Taesa oscilaram entre R$ 22,32 e R$ 32,80. 

Olhando apenas para esses gráficos, podemos concluir que as ações da Taesa, ao menos no período de 12 meses, foram menos voláteis que as ações do Banco do Brasil.

Após essa análise podemos resumir a volatilidade no mercado financeiro como o percentual de variação de um ativo em determinado espaço de tempo.

A volatilidade é benéfica ou prejudicial para o investidor?

A volatilidade é benéfica ou prejudicial para o investidor?
A volatilidade é benéfica ou prejudicial para o investidor? – Foto: Freepik

Dizer que a volatilidade é um aspecto positivo ou negativo no universo dos investimentos é impossível. Afinal, tudo vai depender da visão do investidor e das suas estratégias para utilizar contra você ou ao seu favor.

Como vimos anteriormente, volatilidade possui relação com algo incerto e que varia a todo tempo, não é mesmo? Se olharmos mais uma vez para o mercado de ações, podemos considerar que a volatilidade favorece o investidor que compra uma ação em baixa e a vende em alta e desfavorece o investidor que comprou na alta e acabou vendendo na baixa.

Logo, podemos associar a volatilidade no universo dos investimentos ao risco. Em síntese, quanto mais volátil é um ativo, maiores são os seus riscos e a possibilidade de ganhos do investidor e quanto menos volátil for um ativo, menores são os riscos e também as possibilidades de ganhos.

Obviamente, não é o único aspecto a ser observado e analisando pelo investidor, mas ele possui a sua importância.

Observe agora, um pequeno comparativo desconsiderando o pagamento de ações e dividendos, entre os ganhos com a valorização histórica das ações utilizadas em nosso exemplo.

BBAS3

  • Compra: Comprando 20 ações do Banco do Brasil BBAS3 em 30 de dezembro de 2019, a R$ 50,94 você teria investido R$ 1.018,80.
  • Venda: Vendendo as 20 ações cerca de 1 ano depois, a R$ 34,25 você receberia R$ 685,00.
  • Resultado: Prejuízo de R$ 333,80. (Desconsiderando dividendos)

Logo, podemos concluir que nesse caso, a volatilidade foi prejudicial ao investidor.

TAEE11

  • Compra: Comprando 20 ações da Taesa – TAEE11 em dezembro de 2019, a R$ 27,00 você teria investido R$ 540,00.
  • Venda: Vendendo as 20 ações em 20 de novembro de 2020 a R$ 32,47 você receberia R$ 649,40.
  • Resultado: Lucro de R$ 109,40. (Desconsiderando dividendos)

Logo, podemos concluir que nesse caso, a volatilidade foi benéfica ao investidor.

Sobre a volatilidade, podemos tirar ao menos três conclusões:

  • Ela pode ser benéfica ou prejudicial para o investidor;
  • Quanto maior o apetite do investidor ao risco, mais volátil serão os seus ativos;
  • Existem setores da economia e ativos que possuem menor volatilidade que outros.

Em ações, o setor de transmissão de energia, por exemplo é considerado menos volátil que o setor do comércio. Da mesma forma o investimento em ações é menos volátil que em criptomoedas.

Por outro lado, o investimento em ações é mais volátil que os ativos de renda fixa e por aí vai.

Considerações finais sobre a volatilidade

Considerações finais sobre a volatilidade
Considerações finais sobre a volatilidade – Foto: Freepik

Para finalizar este conteúdo, podemos dizer que a análise de volatilidade é útil para quem está tentando identificar tendências, como o momento certo para comprar ou vender uma ação ou então para quem deseja se expor a riscos menores.

No entanto, é importante destacar que o que aconteceu no passado não necessariamente se repetirá no futuro, ou seja rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Afinal, são diversos os fatores que podem interferir na volatilidade de um ativo. No mercado de ações, por exemplo, as decisões internas da companhia, os dados de um balanço e até mesmo decisões e políticas governamentais podem interferir na volatilidade de um ativo.

Conte com os conteúdos e indicadores fundamentalistas do Investidor 10 para ser mais assertivo nas suas escolhas e aprender cada vez mais sobre o mercado de ações.

Se você gostou desse conteúdo e aprendeu bastante com ele, antes de sair deixe o seu comentário! Não se esqueça também, de seguir o Investidor 10 nas redes sociais para receber ainda mais conteúdos relacionados ao mundo dos investimentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui