Luiz Barsi é absolvido por unanimidade na CVM

Barsi foi acusado de suposto uso de informação privilegiada.

Author
Publicado em 26/03/2024 às 17:03h - Atualizado 3 meses atrás Publicado em 26/03/2024 às 17:03h Atualizado 3 meses atrás por Elanny Vlaxio
(Shutterstock)
(Shutterstock)

O bilionário Luiz Barsi Filho foi absolvido por unanimidade na CVM (Comissão de Valores Imobiliários) nesta terça-feira (26). Barsi foi acusado pela área técnica do órgão de suposto uso de informação privilegiada (insider trading) em operação.

⚖️ Em 2 de junho de 2021, a Unipar divulgou um fato relevante comunicando ao mercado a possibilidade de adquirir a Compass Minerals. No entanto, o negócio não se concretizou. A divulgação do fato relevante foi motivada por uma movimentação atípica nas ações da Unipar, detectada pela B3 nos dias anteriores.

Defesa alega que operação foi feita para recebimento de proventos

Durante o julgamento, a defesa de Barsi alegou que a operação foi feita com o objetivo de receber proventos, alinhada com a estratégia do investidor. Além disso, também afirmou que o possível negócio com a Compass, não era de conhecimento do Conselho de Administração.

💰 “Barsi comprou pouco mais de 13 mil ações com o objetivo de auferir dividendos no prazo da B3. E, nessa mesma linha, o volume negociado dos papéis foi significativamente maior que dias anteriores. A B3 questionou a companhia, que disse desconhecer qualquer fato ou informação que não havia comunicado ao mercado", explicou a defesa.

Já o diretor da CVM, Daniel Maeda, disse que "a análise da conduta é complexa", mas que não viu existência de informação relevante que não foi divulgada ao público. Maeda votou pela absolvição, seguido por outros quatro diretores.

Resposta de Barsi

No fim de 2022, Barsi afirmou que o processo por parte da CVM se tratava de um “procedimento de apuração, do qual tenho plena convicção que nada de errado foi praticado”. Segundo ele, as operações com papeis aconteceram fora do período de silêncio, portanto foram licitadas como previsto na resolução da CVM.

✔️ “Não tenho uma carteira especulativa e nem me respaldo em qualquer informação para aquisição ou venda dos meus ativos, valendo-me sempre dos meus princípios que me guiam desde o início da minha vida como investidor”, afirmou Basi na nota.

O que é o Insider Trading?

O insider trading, também conhecido como uso de informação privilegiada, é uma prática ilegal no mercado de capitais. Consiste em negociar valores mobiliários (como ações, títulos e outros investimentos) com base em informações relevantes que ainda não são de conhecimento público, com o objetivo de obter lucro ou vantagem indevida sobre outros investidores.

Leia também: CVM marca julgamento de Barsi para esta terça-feira (26)