Johnson & Johnson compra Shockwave Medical por US$ 13,1 bilhões

A transação deve ser concluída até o segundo trimestre de 2024.

Author
Publicado em 05/04/2024 às 10:01h - Atualizado 2 meses atrás Publicado em 05/04/2024 às 10:01h Atualizado 2 meses atrás por Elanny Vlaxio
(Shutterstock)
(Shutterstock)

A Johnson & Johnson adquiriu, nesta sexta-feira (5), a Shockwave Medical por US$ 13,1 bilhões. O acordo tem como objetivo expandir a fabricação de dispositivos médicos para tratar doenças cardíacas.

💲 O preço de compra representa um prêmio de 4,7% em dinheiro sobre o preço de fechamento das ações da Shockwave na última quinta-feira (4). Segundo a empresa, a transação deve ser concluída até o segundo trimestre de 2024.

Desde que se separou de sua divisão de saúde ao consumidor em 2023, a Johnson & Johnson (J&J) tem direcionado seus esforços para fortalecer seu portfólio de tecnologia médica.

💰 A empresa vem realizando diversas aquisições estratégicas, incluindo a Abiomed, fabricante de dispositivos de assistência cardíaca, e a Laminar, que desenvolve tecnologia para o tratamento da fibrilação atrial.

Leia também: Enauta (ENAT3): Queiroz Galvão vende ações e reduz participação para 4,9%

Sobre a Shockwave

A Shockwave é especializada em litotripsia intravascular, uma tecnologia que utiliza ondas sonoras para quebrar calcificações em vasos cardíacos e na circulação periférica. A empresa afirma que seu sistema é mais seguro e eficaz do que outras abordagens de tratamento, como a angioplastia com balão e a aterectomia rotacional.

💸 A companhia era alvo de especulações de aquisição há algum tempo, com empresas como a Boston Scientific mostrando interesse. A empresa desenvolve e comercializa sistemas de litotripsia extracorpórea por ondas de choque para o tratamento de cálculos renais e outras obstruções urológicas.

As ações da empresa subiram 1,6% antes da abertura dos mercados dos EUA nesta sexta-feira (5), após ganharem 68% desde o início do ano até o fechamento de quinta-feira (4). As ações da J&J subiam menos de 1% nas negociações antes da abertura do mercado.