Credor pede que Justiça negue pedido de recuperação judicial da Subway

As dívidas da Subway chegam a aproximadamente R$ 482 milhões.

Author
Publicado em 26/03/2024 às 18:50h - Atualizado 3 meses atrás Publicado em 26/03/2024 às 18:50h Atualizado 3 meses atrás por Elanny Vlaxio
(Shutterstock)
(Shutterstock)

Um dos credores da Subway, gerida pela SouthRock, que Justiça negue pedido de recuperação judicial da companhia. 

Ele afirmou, nesta terça-feira (26), que a "principal atividade econômica dos requerentes foi completamente esvaziada” devido a perda de licença para operar a rede de lanches no Brasil. 

💲 “Ao contrário do que os requerentes dizem no seu pedido de recuperação judicial, elas não perderam uma “importante fonte de receitas” quando o Contrato Master Franquia foi rescindido. Eles perderam sua única fonte de receitas. O que restou do Subway do Brasil é insignificante, beira o inexistente”, afirmou a ação. 

"A crise da rede não é momentânea"

De acordo com apuração do "Valor Econômico", a securitizadora Travessia, representada pelo escritório Warde Advogados, entrou com uma petição contestando a recuperação judicial da Subway.

📃 A empresa argumenta que "a crise da rede de fast-food não é momentânea", como alegado pela Subway, e que, por isso, a recuperação judicial não seria cabível.

“Diante desse estado de coisas, a peticionária se viu obrigada a prontamente intervir neste feito para expor as circunstâncias sonegadas pelos requerentes e dizer o óbvio: só é possível recuperar uma empresa que ainda exerce atividade econômica”, afirmou o documento. 

Sobre a recuperação judicial

❌ No dia 11 de março, a SouthRock entrou com um pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo, após já ter solicitado o mesmo pedido para outras marcas da rede, como por exemplo, a Starbucks. 

No caso da Subway, as dívidas somam aproximadamente R$ 482 milhões. A empresa alegou que uma das razões para a decisão foi o cancelamento de sua licença de operação no país. 

Leia também: Subway pede recuperação judicial no Brasil; dívidas chegam a R$ 482 mi