Entenda como as enchentes no RS podem impactar o prato dos brasileiros

Carne e arroz devem sofrer alta, já que estado é um importante produtos

Author
Publicado em 04/05/2024 às 09:00h - Atualizado 1 mês atrás Publicado em 04/05/2024 às 09:00h Atualizado 1 mês atrás por Wesley Santana
Foto: Ageência Brasil
Foto: Ageência Brasil

⚠️ O estado do Rio Grande do Sul está em calamidade pública desde a última quarta-feira (1º) em razão das fortes chuvas que atingem suas cidades. Rio já transbordaram, aulas na rede pública foram suspensas e há mais de 23 mil pessoas desalojadas, segundo os últimos dados divulgados pelo governo. 

Para além dos estragos que a região sofre, brasileiros de outros estados podem sentir o impacto disso nas próximas semanas. Isso porque o RS é um importante polo do agronegócio, que concentra a produção de alimentos consumidos diariamente em todo o país como grãos e carnes. 

Na análise de especialistas ouvidos pelo Valor, as chuvas atrapalham o desenvolvimento dos grãos e o escoamento dos produtos pelos portos e rodovias. Esse movimento deve impactar, ainda, o próximo resultado da inflação, segundo o economista André Braz, coordenador de índices de preços da FGV (Fundação Getúlio Vargas). 

🆘 Leia também: Como ajudar o Rio Grande do Sul: Estado recebe doações via Pix do Banrisul (BRSR6)

“Um Estado de safras importantes que abastecem um país com alimentos, como é o caso do arroz, trigo e a soja, que têm grandes áreas produtoras naquele Estado, também podem ser comprometidos. Como são commodities e podem virar ração e alimentar os animais que consumimos, isso pode encarecer frango, ovo, carne bovina, carne suína”, disse, em entrevista ao jornal.

Ele esclarece, no entanto, que, se aumentarem, os preços não vão se manter assim por muito tempo, considerando que a dinâmica de uma região nem sempre é irreversível. “Às vezes, a produção vai mal em um Estado, mas vai bem em outro, e uma coisa compensa outra. Mas há risco sim de haver aumento nesses itens”, comenta. 

A gestora G5 Partners afirma que já é possível ver parte do impacto nos gráficos que são gerados diariamente para acompanhar o índice oficial da inflação. Luis Otávio Leal, economista-chefe, projeta um avanço de até 6% no preço do arroz, o que pode significar um impacto de 0,02% no próximo resultado do IPCA. 

No ano passado, o RS foi responsável por 70% de todo o arroz que foi consumido no Brasil, além de também ter uma fatia considerável das exportações do alimento. No caso da carne e do frango, este foi o terceiro estado com o maior número de abate, atrás apenas dos vizinhos Paraná e Santa Catarina.

Como ajudar o RS

O governo do estado está recebendo doações de todo o país, por meio de uma chave Pix associada ao Banrisul. Os interessados devem enviar o valor utilizando o CNPJ 92.958.800/0001-38, conforme informou o banco nesta sexta-feira (3). 

"Os recursos serão integralmente revertidos para o apoio humanitário às vítimas das enchentes e para a reconstrução da infraestrutura das cidades", garantiu o estado.