Criptomoedas mais negociadas: Tanto o Bitcoin, como outras moedas digitais, está ganhando cada vez mais fama no mercado financeiro há um bom tempo. Mas, ainda hoje, vale a pena investir em criptomoedas?

Essa é uma dúvida bem comum, principalmente para pessoas que estão querendo entrar nesse mercado agora.

O principal motivo dessa dúvida é que, aparentemente, o “boom” dessas moedas já passou. E aconteceu na época que a Bitcoin teve aquela alta gigantesca. Depois disso, só sofreu desvalorização. Mas tome cuidado com esse pensamento!

Aliás, vale frisar que as criptomoedas não se reduzem somente ao Bitcoin. Afinal de contas, esse mercado é bem grande e tende a crescer cada dia mais. Hoje em dia, já existem milhares de criptomoedas atualmente no mercado. Confira ás Criptomoedas mais negociadas!

Mercado de criptomoedas em 2021: vale a pena investir?

Alguns dos principais motivos para começar a investir em criptomoedas são:

Você investe nelas agora pensando no futuro, e não deve esperar uma supervalorização para investir nelas! Aliás, quando isso acontecer, elas estão muito caras. O seu valor de mercado tende a aumentar com o tempo, e com a evolução tecnológica.

Outro motivo é que elas são uma moeda descentralizada e, ainda, internacional. Ou seja, elas não pertencem a nenhum país e possuem o mesmo valor para o mundo como um todo.

São muito seguras, principalmente por conta da transparência e descentralização. Somente pessoas que possuem uma chave, podem acessar a moeda.

E, além disso tudo, é uma ótima opção de investimento, já que estão cada dia mais importantes e possuem a tendência de se valorizar ainda mais. E também é muito fácil de adquiri-las.

Abaixo você pode ver as principais vantagens e desvantagens de investir em criptomoedas:

As vantagens e desvantagens das criptomoedas
Bitcoin – Foto por Unsplash

Vantagens e desvantagens de investir em criptomoedas

Veja a seguir quais são as principais vantagens e desvantagens em investir em criptomoedas:

Vantagens das criptomoedas

Começando pelo lado bom, as criptomoedas garantem privacidade e proteção de dados, pois conseguem manter o anonimato dos investidores.

Isso acontece graças ao blockchain, que oferece uma das criptografias mais fortes do mundo. Possui, também, tarifas muito baixas. Aliás existem até mesmo criptomoedas sem taxas! Afinal, não existem terceiras partes envolvidas na transação.

Outra vantagem é a descentralização e a capacidade de autogerenciamento das criptomoedas. Ou seja, não existe uma autoridade central, nem instituições que determinam as regras, o valor ou o fluxo delas.

As criptomoedas não sofrem com a inflação, já que possuem um número fixo, e não é possível “emitir mais”. O que acontece é que, com o aumento da demanda, o valor também aumentará, limitando o risco de inflação.

Por fim, a última vantagem é a velocidade da transferência, que é bem rápida, e a acessibilidade, sendo fáceis de adquirir.

Desvantagens da criptomoeda

Apesar das vantagens que possui, assim como tudo na vida, as criptomoedas possuem as suas desvantagens também! Veja algumas delas a seguir:

Grande parte delas possui alta volatilidade. Ou seja, o seu valor pode mudar de forma muito rápida e muito imprevisível, podendo ser algo difícil de lidar para quem está iniciando nesse mercado agora.

Elas também possuem problemas na regulamentação, já que, por conta da descentralização, o governo não consegue rastrear os usuários, proporcionando a fácil atuação de criminosos nesse mercado.

Não possui políticas de reembolso. Então, se você cometer algum engano nas transações, nada poderá ser feito a respeito.

Isso torna bem fácil a prática de fraudes dentro dos mercados de criptomoedas. Portanto, se você estiver começando agora, tome muito cuidado com isso, procurando verificar, antes de começar, os principais golpes nesse mercado para saber como pode evitá-los.

Por último, existe uma certa dificuldade em gerenciar as moedas digitais sozinho, já que elas são resultado da ciência da computação, e o vocabulário não é nada fácil de entender, assim como o seu funcionamento.

Enfim, se você chegou até aqui e ainda tem curiosidade, ou já decidiu que irá investir em moedas digitais, confira a lista com as 10 mais negociadas no mercado financeiro hoje, de acordo com o Warren Blog (2021), e o motivo pelo qual estão nessa lista.

Depois, é só escolher a sua e começar a investir! Confira as 10 Criptomoedas mais negociadas. 

As 10 criptomoedas mais negociadas

As criptomoedas mais negociadas
Imagem do Bitcoin – Foto por Freepik

1. Bitcoin (BTC)

Criptomoedas mais negociadas: Essa é a criptomoeda mais conhecida e mais negociada no mundo todo, acumulando um mercado que já ultrapassou mais de US$1 trilhão!

Foi ela que deu o starter do universo das criptomoedas descentralizadas, estando em circulação desde 2009 e registrando, cada vez mais, altos recordes na valorização.

Possui um valor muito alto, bem como alta volatilidade. Mas os seus números são os responsáveis por mantê-la na primeira posição da lista.

Criptomoedas mais negociadas – 2. Ethereum (ETH)

O Ethereum surgiu em 2015, e já se tornou a segunda maior criptomoeda do mundo, batendo os US$250 bilhões.

Ela está nessa posição pois, mesmo possuindo um valor bem abaixo do Bitcoin, o Ethereum se mostrou uma ótima oportunidade para diversificar a carteira.

Além disso, o seu grande diferencial é que ele foi feito para atuar como um ativo financeiro, diferente do Bitcoin.

3. Binance Coin (BNB)

Criptomoedas mais negociadas: O Binance Coin conseguiu uma capitalização de mais de US$ 77 bilhões, atingindo um valor de, mais ou menos, US$505 por unidade.

Essa moeda é utilizada na Binance Exchange, uma bolsa de câmbio de criptomoedas. Portanto, além de ser uma das maiores, ela também é usada para negociar outras 150 criptomoedas na Exchange, sendo esse o principal motivo do seu sucesso.

Criptomoedas mais negociadas – 4. Ripple (XRP)

O Ripple é usado pela plataforma de pagamentos que recebe o mesmo nome, possuindo uma capitalização de US$61,6 bilhões, e valendo US$1,36.

O seu diferencial, e o que a coloca na lista, é o fato de permitir transferência de dinheiro em qualquer formato (criptomoedas ou moedas fiduciárias).

Assim, o Ripple atua como uma espécie de banco universal, convertendo diferentes moedas em valores, e servindo como referência para transações.

Criptomoedas mais negociadas – 5. Dogecoin (DOGE)

Criptomoedas mais negociadas: O surgiu em 2013 e, a princípio, queria ser apenas uma concorrente “divertida” do Bitcoin, como um meme, e levou o símbolo de um cão da raça Shiba Inu.

Mas a brincadeira deu tão certo, que a moeda começou a atrair o interesse dos investidores de moedas digitais. Por isso, hoje em dia, ela possui capitalização de US$51,5 bilhões.

Com o tempo, ela começou a acumular ganhos enormes, chegando a quase 12.000%, mas seu valor ainda é baixo (cerca de US$ 0,40).

Criptomoedas mais negociadas – 6. Tether (USDT)

O Tether surgiu em 2014, e possuía a proposta de se tornar uma “stablecoin”. Ou seja, um tipo de criptomoeda com valor estável, ao contrário do Bitcoin.

Para isso, o Tether possui o seu valor dependente de uma moeda física (o dólar americano). Hoje, ela ocupa o sexto lugar no ranking das maiores criptomoedas do mundo, com cerca de US$48 bilhões.

Criptomoedas mais negociadas – 7. Cardano (ADA)

Criptomoedas mais negociadas: O Cardano surgiu em 2017, sendo uma criptomoeda recente, e que ainda está lutando para conseguir se consolidar no mercado financeiro.

Mas, ainda assim, ela já possui um market cap de US$39 bilhões, e custa cerca de US$ 1,23. O maior diferencial que ela apresenta diante das demais, é a segurança nas transações.

Afinal de contas, o sistema de blockchain é considerado ainda mais sólido do que a do Bitcoin, incrível, não é mesmo?

Criptomoedas mais negociadas – 8. Polkadot (DOT)

O Polkadot possui US$33 bilhões em capitalização, valendo aproximadamente US$35. Também é uma opção bem recente no mercado, mas que possui um propósito bem interessante: integrar uma diversidade de sistemas de blockchain em uso simultâneo!

Então, o seu propósito é permitir com que demais moedas digitais consigam operar em um sistema só, com funções diferentes, uma tecnologia chamada de “parachains”.

Criptomoedas mais negociadas – 9. Litecoin (LTC)

Criptomoedas mais negociadas: Essa foi uma das seguidoras do Bitcoin. Surgiu em 2011 e, hoje, já atingiu os US$17,8 bilhões. Com os mesmos propósitos do Bitcoin, a LTC também é uma criptomoeda em uma rede descentralizada. Mas a sua principal diferença é a maior rapidez.

Litecoin é uma das criptomoedas mais negociadas
Criptomoeda no teclado do computador – Foto por Unsplash

Criptomoedas mais negociadas – 10. Bitcoin Cash (BCH)

Por fim, uma última ótima opção para investir, e que fecha a lista das 10 criptomoedas mais negociadas é o Bitcoin Cash.

Essa criptomoeda é uma modificação do blockchain do Bitcoin, que foi lançada em 2017, atingindo um valor próximo de US$922 e acumulando market cap de US$ 17,2 bilhões.

A sua principal diferença frente ao Bitcoin é que os desenvolvedores focaram em aperfeiçoar a blockchain original, gerando uma criptomoeda mais rápida que o BTC.

Agora que você já viu as vantagens e desvantagens, conheceu os principais motivos para investir nesse mercado em 2021, e possui, em mãos, uma lista atualizada com as 10 criptomoedas mais negociadas, você já está preparado para começar a investir de forma segura!

Então, fica aqui mais três dicas rápidas e simples, para você levar em consideração antes de começar a investir: invista apenas uma parte do seu patrimônio, e nunca ele inteiro.

Afinal de contas, diversificar a carteira é muito importante. E, como vimos, essas moedas possuem uma volatilidade muito alta.

Segundo, estude bastante o mercado antes, e se prepare para ter perdas! É muito difícil prever as próximas movimentações das moedas digitais.

Por isso, até os profissionais mais arrojados, podem acabar perdendo dinheiro. A única forma de ir se acostumando, é sempre estudar mais sobre o mercado.

Por último, saiba exatamente quando vender parte dos seus investimentos para realizar lucros. As criptomoedas, por conta da volatilidade, não garantem aqueles lucros maiores, que é possível obter em mercados mais previsíveis.

Então, se um dia a alta for muito boa – até demais para ser verdade – talvez seja a hora certa de vender!