Quando pensamos em guardar dinheiro é porque estamos em busca de um sonho, não é? Ter uma vida mais abundante, fazer aquela viagem fantástica ou mesmo gerar uma renda passiva com dividendos.

Seja o caso, precisamos economizar para termos as condições de conquistar nossas metas.

Juntar dinheiro pode ser um desafio para quem não tem o hábito de economizar e, principalmente, no caso de pessoas que têm que lidar com dívidas.

Portanto, esse artigo pode te ajudar se você quer:

Cuidar das finanças pessoais não é um bicho de 7 cabeças. É necessário algumas mudanças na rotina e na forma de consumir, além de paciência e disciplina: os dois elementos essenciais do investidor.

Por isso, trazemos aqui 5 dicas para te ajudar a guardar dinheiro. Confira!

Homem fazendo cálculos no computador e com caderno aberto.
O primeiro passado para guardar dinheiro é planejar seus objetivos. Foto por lovelyday12 | Freepik.

Dica #1 – Planeje e coloque prazo no seu sonho

O primeiro passo para atingirmos qualquer objetivo é planejar e definir esse objetivo. Ademais, não só pelo fato de saber o que e por que estamos fazendo algo. Mas, isso ajuda na disciplina de economizar.

Quando estamos fazendo algo por um sonho nosso é muito mais fácil passar pelos desconfortos. Afinal, não poder comprar aquilo que você quer agora é frustrante, não é? Mas, precisamos sempre nos lembrar que somos frutos de nossas decisões passadas.

Logo, se você está com problemas financeiros hoje, foi por decisões e eventos passados.

Por isso, tome as decisões difíceis hoje para poder ter uma vida mais abundante no futuro.

Para te ajudar iniciar, busque responder as seguintes questões:

  1. O que é mais valioso para você?
  2. Por que você quer economizar?
  3. Para o que você irá utilizar suas economias?
  4. Do que você não abre mão?
  5. Você está disposto a fazer sacrifícios para ter a vida que você quer?
  6. Quanto você irá buscar guardar por mês?

Para ajudar a definir quanto você terá que guardar por mês, pegue o valor estimado do seu objetivo e divida pelos meses que levará para conquistar.

Assim, para fazer aquela viagem dos sonhos que irá custar R$15mil e você quer ir daqui 18 meses, por exemplo, terá de juntar R$833,33 por mês!

Caso isso seja inviável para sua realidade, precisará ir ajustando, talvez esperar mais que 18 meses para viajar ou pesquisar melhor os preços… Enfim, essa lógica busca te auxiliar na fase de definir melhor seu objetivo e te preparar para alcança-lo.

Quite suas dívidas primeiro para que assim você consiga guardar dinheiro tranquilamente.
Dívidas reduzem sua capacidade de guardar dinheiro. Foto por Stories Freepik.

Se tiver dívidas, busque colocá-las como seu primeiro objetivo

Ademais, as dívidas é uma das principais vilãs de quem quer guardar dinheiro. Por isso, caso você tenha dívidas a pagar, coloque a quitação delas como seu objetivo primário.

Desse modo, ao se livrar das dívidas, você libertará seu orçamento para investir. Assim, dentro das dívidas você possui duas estratégias:

  • Priorizar as com juros mais pesados;
  • Começar pelas dívidas menores.

Priorizar as dívidas mais pesadas parece ser o caminho mais óbvio certo? Depende. Seu psicológico impacta muito no resultado dos seus objetivos.

Dívidas grandes levam mais tempo para serem pagas, podendo levar a um pensamento pessimista de “nunca irei quitar”. Assim, você irá se desmotivar rápido e voltará ao estágio inicial.

Portanto, quitar as dívidas menores pode ser importante para aumentar sua autoestima. Há diversos estudos que relatam o efeito da dopamina liberada quando conquistamos uma meta e como isso faz a pessoa atingir as próximas com mais facilidade.

Assim, conforme você vai quitando as dívidas, mais motivação e mais fácil será de você economizar e sair das dívidas.

Dica #2 – Repensando sua forma de gastar

Temos que repensar nossa forma de gastar para sobrar dinheiro no final do mês.
Guardar dinheiro requer mudanças de hábitos. Foto por Stories Freepik.

Você já deve ter falado para si “vou pagar tudo que tenho que pagar, o que sobrar eu invisto”, não é?

Mas, quem disse que sobra alguma coisa no final do mês? A realidade é que se tiver dinheiro disponível, mais fácil será de a gente gastá-lo.

Por isso, precisamos inverter a lógica. Em vez de investirmos o que não gastamos, iremos gastar apenas o que sobrar após investirmos.

Ou seja, na dica anterior você já planejou quanto quer investir por mês, correto? Assim, quando seu salário cair ou seus clientes te pagarem, você já irá guardar seu dinheiro.

Desse modo, você está se pagando primeiro e o que sobrar pode ficar à vontade para gastar no que bem entender. Pensando dessa forma, temos um cálculo básico:

Receita – Investimentos = Despesas

Assim, você garante seu futuro primeiro e busca viver com o restante. Lógico, precisará de várias adaptações e mudanças na sua rotina, mas é necessário.

Fazendo esse cálculo, você terá o valor total do seu orçamento e disso vá distribuindo entre cada despesa que você tem.

Outro efeito psicológico que podemos utilizar é pensar no tempo de trabalho necessário para comprar alguma coisa.

Nesse sentido, quando pensamos na quantidade de horas que temos que passar ralando só para comprar aquela roupa nova, automaticamente nos faz pensar se realmente vale a pena.

Por exemplo, vamos ver quanto tempo levaria para comprar alguns itens, se você trabalhar 10 horas por dia de segunda a sexta ganhando por mês R$2.200,00.

Item

Qntd de Horas (dias de trabalho)

Novo iPhone SE

363,54 horas (aprox. 36 dias)

Renault Kwid modelo básico

3408 horas (aprox. 341 dias)

Bolsa Louis Vuitton

991 horas (aprox. 99 dias)

Desse modo, vemos que temos de trabalhar 363 horas e todo o dinheiro que ganhar será para pagar só o novo iPhone. Nesse cenário, você consegue avaliar se aquele item realmente vale todo o tempo que você terá de passar trabalhando.

Por fim, sempre se pergunte: isso que estou comprando vale a pena por todo o tempo que trabalhei?

Dica #3 – Descobrir quais seus vilões financeiros

É necessário se atentar aos vícios financeiros para guardar dinheiro.
Há diversos hábitos que nem percebemos, mas nos impedem de guardar dinheiro. Foto por Stories Freepik.

Defino os vilões financeiros aqui como sendo aquilo que te induz a decisões erradas. Ou seja, são atitudes e “facilidades” do dia a dia que te levam a gastar mais.

Por exemplo, deixar o cartão registrado em aplicativos como iFood e Uber. Quando ao apertar um botão a comida chega na sua casa, você não percebe o quanto aquele prato custou no seu bolso.

Há uma perda da noção de quanto as coisas custam. Portanto, se este for seu caso, talvez seja importante tirar seu cartão dos aplicativos e passar a pagar em dinheiro.

Assim, você irá criar barreiras para evitar o impulso de comprar algo. Consequentemente, seus gastos irão diminuindo e poderá economizar mais.

Ademais, há um debate fervoroso quanto ao cartão de crédito ser um vilão financeiro. Depende muito do controle da pessoa.

O crédito é uma ferramenta poderosa tanto para ajudar quanto para nos destruir. Por isso, para usar empréstimos e cartão de crédito precisa de disciplina, planejamento e autocontrole.

Contudo, há pessoas que não consegue se controlar. Para esses casos é recomendado esconder o cartão de crédito e ficar só no débito e dinheiro.

Ao pagar no débito e dinheiro você sente a “dor” de gastar seu suado dinheiro na hora. Enquanto no crédito não há esse efeito psicológico, pois ele só virá dias depois. Quem nunca olhou a fatura do cartão e se arrependeu, não é?

Por isso, utilizar sua mente contra ela mesma é essencial para facilitar nosso processo de guardar dinheiro.

A dica 4 vamos falar de mais um desses efeitos, veja a seguir!

Dica #4 – “Amanhã eu compro”

“Na volta a gente compra” – Mãe.

Quem nunca ouviu isso da mãe?

É um truque das mães com seus filhos para evitar gastar demais. Afinal, ao dizer isso é muito raro que voltemos na loja e compramos.

O normal é fazer um caminho diferente na volta ou nem falar mais naquilo. Mas, como podemos fazer essa memória de infância nos ajudar a guardar dinheiro?

A lógica é simples: o impulso de querer algo some depois de um tempo. Além do mais, costumamos antecipar a felicidade da compra por algo. “Quando eu comprar aquele celular vai ser tudo melhor”. Em nossas mentes sentimos o prazer que supostamente teremos quando tivermos o tal item.

A realidade é que quando compramos, esse sentimento some, muitas vezes, na mesma hora (sabe quando você compra aquele monte de chocolate e logo em seguida se arrepende?).

Então, na próxima vez que você quiser comprar algo, deixe “para amanhã”. Se amanhã você ainda estiver precisando daquele item, aí tudo bem, pode fazer sentido sua compra. Do contrário, ou você nem vai lembrar mais que queria ou nem vai estar com vontade mais.

Outro método que você pode empregar junto a “deixar para amanhã” é fazer as seguintes perguntas:

  1. Quero?
  2. Agora?
  3. Posso?
  4. Preciso?
  5. Agora?

Essa técnica também é conhecida como QP2A, e te ajuda a evitar compras impulsivas e inúteis. Se você responder “não” para uma das perguntas, nem precisa ir para a próxima, já descarte a possibilidade de comprar o item.

Dica #5 – Tenha o controle dos gastos

Aplicativos podem auxiliar a guardar dinheiro e manter as finanças em ordem.
Aplicativos podem auxiliar a guardar dinheiro e manter as finanças em ordem. Foto Stories Freepik.

Para conseguir ter um controle das finanças e guardar dinheiro é necessário controlar seus gastos.

Há diversas maneiras de fazer isso. No caderno, em um aplicativo, no Excel. Enfim, cada um se adapta melhor à uma ferramenta.

O importante é registrar as despesas para termos consciência de quanto está saindo da nossa carteira.

Desse modo, você verá com mais clareza onde e quando seu dinheiro sai dos seus bolsos.

Além disso, a disciplina de sempre lançar os gastos no momento que você os tiver te ajuda a refletir.

Essa reflexão pode te ajudar a evitar compras durante o dia, o que te auxliar a guardar dinheiro.

A tecnologia também permitir diversas funcionalidades para te ajudar a conquistar seus sonhos. Desde de funções de planejamento, notificações para te lembrar de guardar dinheiro ou pagar um conta até mesmo fazer simulações de melhores investimentos.

Aqui vai algumas dicas de apps que você pode utilizar para gerenciar suas finanças:

  • Google Calendar: inserir as datas de pagamento de conta. Assim você receberá uma notificação no seu celular, evitando esquecer um boleto e pagar aqueles juros e multas.
  • Mobills: aplicativo para registrar suas despesas, com relatórios e outras funcionalidades. Há diversos apps como esse disponíveis, vale a pena olhar eles e ver qual você acha melhor!
  • Excel: para criar simulações e planejamento financeiro com maior flexibilidade. Caso você não sinta essa necessidade, os apps possuem funções de orçamento bem interessantes.
Aplicativos são essenciais para ajudar a guardar dinheiro.
Aplicativos são essenciais para ajudar a guardar dinheiro. Foto por Stories Freepik.

Comportamentos sociais que te impedem de guardar dinheiro

Por fim, como dica bônus para você, esteja consciente de comportamentos sociais que te impedem de guardar dinheiro.

Exemplos desses comportamentos prejudiciais às finanças:

  • Sempre aceitar sair com os amigos por medo te ser excluído;
  • Não conversar com as pessoas que moram com você sobre seus planos (isso faz com que eles respeitem sua decisão e até mesmo te ajude a manter disciplina!);
  • “Começo na segunda-feira”. Frase tradicional de todo mundo, mas não deixe para guardar dinheiro que você pode guardar hoje.
  • Achar que não dá para relaxar e se divertir gastando pouco.

Aliás, sobre esse último ponto, há tantas opções hoje em dia muito mais baratas ou mesmo gratuitas para você relaxar depois de trabalhar duro. Assim, pense em coisas que te dão prazer e não custam muito. Como maratonar sua série favorita, correr no parque, cozinhar, etc.

Por fim, ao guardar dinheiro, é importante investi-lo em uma aplicação segura e acima da inflação para proteger seu capital.

E aí, anotou as dicas? Agora é pegar o papel e caneta (ou planilha), planejar seu sonho e começar a guardar dinheiro ainda hoje!

Ademais, não deixe de montar sua Reserva de Emergência para depois começar a investir em ações.

Aliás, com sua reserva montada, recomendo a leitura sobre como analisar ações, pois como Luiz Barsi, o maior investidor brasileiro, diz: “ações garantem o futuro”.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui