Vendas no varejo sobem 1% em fevereiro e alcançam 8,2% no ano

Resultado foi abaixo de janeiro, mas acima do que esperava parte do mercado

Author
Publicado em 11/04/2024 às 15:05h - Atualizado 2 meses atrás Publicado em 11/04/2024 às 15:05h Atualizado 2 meses atrás por Wesley Santana
Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

ūüõí As vendas no varejo surpreenderam os analistas em fevereiro.

Conforme dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (11), houve uma alta de 1% no segundo mês do ano. As vendas desaceleram em relação ao resultado de janeiro -quando houve 2,8% de avanço-, mas ainda ficaram acima da expectativa do mercado.

Com isso, na etapa anual o índice de alta cresceu 8,2%, registrando sua 9ª subida seguida. Considerando somente os dois primeiros meses de 2023 e 2024, a diferença foi positiva em 6,1%, segundo o instituto de pesquisas.

ūüďČ Leia tamb√©m: Infla√ß√£o desacelera em mar√ßo em 0,16%, com o menor √≠ndice para o m√™s desde 2020

Os n√ļmeros foram no sentindo inverso do que declarou o consenso LSEG, que tinha fechado expectativa de queda de 1% para as vendas de fevereiro.

Seis das oito atividades pesquisadas apresentaram variação positiva, sendo a categoria de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (9,9%) o maior deles. De acordo com Cristiano dos Santos, pesquisador do IBGE, essa categoria apresentou forte alta em razão dos produtos farmacêuticos, como a procura por repelentes para o mosquito da dengue, já que outros itens ficaram estáveis.

Artigos de uso pessoal e doméstico (4,8%), livros, jornais, revistas e papelaria (3,2%), móveis e eletrodomésticos (1,2%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (0,5%) e tecidos, vestuário e calçados (0,3%) aparecem na sequência.

‚Äú[Em artigos de uso pessoal e dom√©sticos] o maior peso vem das lojas de departamentos. A gente teve [no passado] toda aquela quest√£o da crise, com fechamento de lojas f√≠sicas de grandes marcas. E isso vem se recuperando, j√° com um segundo m√™s de alta. Mesmo antes dessa recupera√ß√£o de janeiro e fevereiro, j√° estava crescendo o n√ļmero de lojas f√≠sicas novamente‚ÄĚ, explica Santos, em entrevista √† Ag√™ncia Brasil.

As √ļnicas atividades do varejo que registraram queda foram combust√≠veis e lubrificantes (-2,7%) e hiper, supermercados, produtos aliment√≠cios, bebidas e fumo (-0,2%).

No critério do varejo ampliado, que inclui os setores e materiais de construção e venda de veículos e peças, o avanço foi de 1,2%. O comércio de veículos cresceu 3,9%, enquanto a venda de materiais de construção caiu 0,2%.