Seja para realizar um sonho, garantir uma aposentadoria confortável ou simplesmente fazer seu dinheiro trabalhar a seu favor, um plano de investimentos pessoal é essencial. Mas o que exatamente é um plano de investimentos e como você pode montar o seu?

Neste artigo, vamos explicar em detalhes o conceito de plano de investimentos, fornecendo insights importantes sobre sua importância e orientações práticas sobre como elaborar seu.

Prepare-se para conhecer mais sobre os segredos do planejamento financeiro e embarcar na nave do Investidor 10 em uma jornada rumo à realização dos seus sonhos.

O que é um plano de investimentos pessoal?

Um plano de investimentos pessoal é um documento ou estratégia elaborada por um investidor para gerenciar seus investimentos de forma mais eficiente e alinhada aos seus objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo.

Veja o que você precisa levar em consideração ao montar o seu plano de investimentos pessoal:

  • Objetivos financeiros: Defina metas específicas, como aposentadoria, compra de casa, educação dos filhos, entre outros.
  • Atual situação financeira: Faça uma avaliação completa da sua situação financeira, para entender quanto você pode e pretende investir mensalmente.
  • Tolerância ao risco: Determine o seu perfil de investimento (conservador, moderado arrojado) e o seu grau de tolerância ao risco.
  • Horizonte temporal: Define por quanto tempo você deseja investir e o período de tempo para alcançar cada objetivo financeiro.
  • Estratégia de investimento: Desenvolva uma estratégia de alocação de ativos que leve em consideração a tolerância ao risco, seu horizonte temporal e suas metas financeiras.

Um plano de investimentos pessoal é uma ferramenta importante para lhe ajudar a tomar decisões de forma assertiva e a alcançar mais rápido os seus objetivos.

Qual a diferença entre um plano de investimentos e um planejamento financeiro?

Qual a diferença entre um plano de investimentos e um planejamento financeiro?
Qual a diferença entre um plano de investimentos e um planejamento financeiro? – Foto: Freepik

Muito embora, tanto o plano de investimentos, quanto o planejamento financeiro tenham grande importância na gestão financeira pessoal, e estejam de certa forma relacionados, existem diferenças importantes entre eles.

Para que você entenda melhor, aplique ambas as ferramentas na sua gestão financeira pessoal e não confunda os conceitos, montamos um resumo com as principais diferenças. Confira!

Plano de investimentos

  • Foco: Um plano de investimentos geralmente se concentra especificamente na gestão de investimentos de uma pessoa ou família.
  • Objetivo: Seu objetivo é maximizar retornos, minimizar riscos e alcançar metas específicas de investimento, como aposentadoria, compra de casa, educação dos filhos, entre outros.
  • Elementos: Inclui análise da atual situação financeira do investidor, definição de metas de investimento, determinação da tolerância ao risco, escolha de investimentos e desenvolvimento de uma estratégia de alocação de ativos.

Planejamento financeiro

  • Foco: O planejamento financeiro abrange uma gama maior de aspectos financeiros, como controle de receitas e despesas, não se limitando apenas aos investimentos.
  • Objetivo: Além dos objetivos de investimento, o planejamento financeiro considera questões como gestão de dívidas, orçamento, seguro e planejamento para eventos imprevistos.
  • Elementos: Deve listar todas as despesas e receitas da pessoa ou família, buscando um cenário onde o volume de receitas é maior que o de despesas, de modo que seja possível reservar recursos para investir.

Após esse comparativo, podemos afirmar que o plano de investimentos deve ser parte do seu planejamento financeiro.

Quais são as vantagens do plano de investimento pessoal?

Um plano de investimento pessoal é uma ferramenta que pode oferecer uma série de vantagens para os investidores, dentre os quais, podemos destacar:

  • Estabelecimento de metas: Um plano de investimento ajuda o investidor a definir metas financeiras específicas, o que proporciona um propósito claro e orienta as decisões de investimento.
  • Personalização: Um plano de investimento pessoal pode ser adaptado às necessidades individuais, levando em consideração fatores como idade, tolerância ao risco, horizonte de tempo e situação financeira atual.
  • Gestão de riscos: Ao desenvolver um plano de investimento pessoal, os investidores avaliam sua tolerância ao risco e selecionam investimentos adequados a esse perfil, protegendo seus respectivos patrimônios ao longo do tempo.
  • Disciplina financeira: Um plano de investimento pessoal promove a disciplina financeira, pois estabelece uma estratégia de investimento clara e um roteiro a seguir, que potencializa resultados.
  • Diversificação: Um plano de investimento pessoal inclui uma estratégia de alocação de ativos que distribui os investimentos em diferentes classes de ativos, como ações, títulos e fundos, de acordo com os objetivos e a tolerância ao risco do investidor.
  • Acompanhamento: Um plano de investimento pessoal não é estático; ele deve ser revisado e ajustado regularmente para garantir que permaneça alinhado com os objetivos do investidor e as circunstâncias do mercado.

Não tenha dúvidas, ao montar e seguir um bom plano de investimentos, você potencializa o crescimento do seu patrimônio, alcança objetivos financeiros, tem mais qualidade de vida e pode conquistar sua independência financeira.

Como montar um plano de investimentos pessoal?

Montar um plano de investimentos pessoal pode ser muito mais fácil do que você imagina. Confira as orientações do guia abaixo. Temos certeza que isso lhe ajudará a alcançar seus objetivos.

1.Construa uma reserva de emergência

A construção de uma reserva de emergência precisa ser um passo básico e indispensável para todo e qualquer investidor.

Uma reserva de emergência, vai lhe garantir uma camada de proteção contra imprevistos, evitando o endividamento e a desorganização financeira.

2.Determine os seus objetivos financeiros

Traçar objetivos financeiros é muito importante para que você tenha um alvo a conquistar e combustível, ou seja, estímulos para chegar até lá.

Reflita e pense nos seus objetivos, como por exemplo: investir para montar um negócio, ter uma aposentadoria tranquila ou conquistar a independência financeira.

3.Conheça o seu perfil de investidor e conheça os riscos

Entender seu perfil de investidor e conhecer os riscos associados aos diferentes tipos de investimentos é fundamental para tomar decisões assertivas.

  • Conservador: O investidor conservador é aquele que prioriza a segurança em suas aplicações acima de qualquer coisa. Por isso, normalmente, esse tipo de investidor aloca a maior parte ou 100% dos seus ativos como o Tesouro Direto, LCIs, LCAs e CDBs.
  • Moderado: Já o investidor de perfil moderado é aquele que está justamente entre os dois extremos, ao mesmo tempo que esse investidor não se satisfaz com a baixa rentabilidade da renda fixa, ele também não cogita colocar grande parte do seu patrimônio em aplicações de alto risco.
  • Arrojado: Esse tipo de investidor passa longe da renda variável, aplicando apenas uma pequena fatia do seu capital por lá. Em geral, esse tipo de investidor aplica 70% ou mais do seu capital em ativos de risco, mas com maior possibilidade de retorno.

4.Analise a sua situação financeira

Ter uma vida financeira organizada, incluindo um orçamento pessoal e a quitação de dívidas, é fundamental para que você consiga investir e fazer aportes regulares para potencializar o crescimento do seu patrimônio.

Sendo assim, liste todas as suas receitas e despesas, elimine custos desnecessários, e equilibre as suas finanças para que você tenha recursos para investir mensalmente.

Você pode utilizar uma planilha em Excel ou app de gestão financeira para organizar suas finanças pessoais e conhecer de perto, suas receitas e despesas.

5.Estude e conheça as possibilidades de investimentos

Conhecer os diferentes tipos de investimentos disponíveis no mercado, lhe ajudará na tomada de decisões mais assertivas.

Busque cursos e conteúdos de qualidade que lhe ajudem a compreender os diferentes tipos de ativos do mercado financeiro, bem como todos os fatores que precisam ser observados por um bom investimento, incluindo indicadores e aspectos de mercado.

Diante disso, a boa notícia, é que além de fornecer muito conteúdo gratuito de excelente qualidade, como essa que você está lendo agora, o Investidor 10 oferece uma série de cursos para quem deseja aprender mais sobre investimentos, dentre eles:

Para chegar ao sucesso, é necessário investir com consciência, e não como se estivesse fazendo uma aposta na loteria.

6.Monte sua carteira de investimentos

Determine quanto você pode investir inicialmente, e mensalmente, bem como, as alocações de ativos que pretende fazer para alcançar os seus objetivos.

Você pode investir em ações, fundos de investimento, fundos imobiliários, títulos de renda fixa e outras opções que estão disponíveis no mercado.

No entanto, antes de investir, analise com bastante cuidado cada tipo de ativo, e para maior segurança, procure montar uma carteira de investimentos diversificada.

Por falar nisso, conheça o gerenciador de carteiras do Investidor 10, crie uma conta grátis e gerencie todos os seus ativos em um único local, com acesso a:

  • Múltiplas carteiras;
  • Resumo do patrimônio;
  • Gráfico de metas;
  • Histórico de proventos;
  • Milhares de ativos.

Por fim, se este conteúdo ajudou você a montar o seu plano de investimentos, antes de sair, siga o Investidor 10 nas redes sociais e tenha acesso a mais conteúdos!