Como se proteger da inflação? Buscar meios de preservar o poder de compra do seu dinheiro é uma decisão muito importante e inteligente, principalmente em períodos com inflação alta.

Para responder essa pergunta e ajudar você a proteger o seu patrimônio, neste artigo, nós vamos explicar o funcionamento da inflação e listar 3 opções de investimentos seguros que superam a inflação e estão disponíveis na renda fixa.

O nosso objetivo, é ajudar você a investir o seu dinheiro de forma inteligente, garantindo rendimentos acima da inflação para preservar o seu poder de compra e ao mesmo tempo, o seu patrimônio.

Para saber mais e conferir o que separamos para você, continue a leitura e acompanhe esse artigo até o final.

O que é inflação?

A inflação é o aumento geral e contínuo dos preços dos bens e serviços em uma economia ao longo do tempo. Em outras palavras, a inflação representa a perda do poder de compra da moeda, pois os consumidores precisam gastar mais para comprar a mesma quantidade de bens e serviços que puderam adquirir por um preço menor no passado.

Existem diversas causas para a inflação, dentre as quais, podemos destacar:

  • Demanda: Quando a demanda por bens e serviços excede a capacidade de produção da economia, os preços podem subir devido à escassez.
  • Custo de produção: Aumentos nos custos de produção e matéria prima, podem levar as empresas a repassar esses custos para os consumidores na forma de preços mais altos.
  • Pressões cambiais: Mudanças nas taxas de câmbio podem afetar o preço de importação e influenciar a inflação.
  • Expectativas inflacionárias: As expectativas dos agentes econômicos também em relação à inflação futura podem influenciar o comportamento de preços. Se as pessoas e empresas esperam que os preços subam, podem ajustar seus comportamentos, contribuindo para um ciclo inflacionário.

Os bancos centrais geralmente têm como objetivo manter a inflação sob controle, pois a estabilidade de preços é fundamental para o bom funcionamento de uma economia.

Uma inflação moderada pode ser saudável para o incentivo ao consumo e o investimento, mas taxas muito altas podem prejudicar a economia, afetando o poder de compra e a estabilidade financeira.

Por sinal, é justamente em função da inflação e da busca do Banco Central em mantê-la sob controle, que ouvimos falar com frequência no aumento ou na redução da taxa Selic, que por sua vez, é a taxa básica de juros da nossa economia.

Quando o BACEN eleva a taxa de juros, ele consegue desestimular a oferta de crédito no mercado, e por consequência o consumo, reduzindo a inflação. Por outro lado, quando a inflação está bem controlada, os juros podem ser reduzidos para estimular o consumo e o crescimento da economia.

Quais são os principais indicadores de inflação no Brasil?

No Brasil, a inflação é medida por meio de índices de preços que refletem a variação média dos preços de uma cesta de bens e serviços representativos para os consumidores. Antes de conferir o que fazer para se proteger da inflação, é importante conhecer esses indicadores.

Atualmente, os dois principais índices de preços usados ​​no país são os seguintes:

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

O IPCA é o indicador oficial de inflação no Brasil, sendo, portanto, utilizado pelo Banco Central como referência para a política monetária.

Ele mede a variação de preços de uma cesta de bens e serviços consumidos por famílias com renda entre 1 e 40 salários mínimos. Essa cesta abrange despesas com alimentação, habitação, transporte, saúde, educação, entre outros setores.

Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M)

O IGP-M é calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e é mais amplo do que o IPCA, pois inclui não apenas bens e serviços de consumo, mas também itens como os preços de matérias-primas, commodities agrícolas e custos de construção civil.

Normalmente, o IGP-M é utilizado para o cálculo de reajustes de contratos de aluguel e outros contratos financeiros.

Além desses, vale destacar que existem outros índices que também podem ser usados ​​para medir a inflação em contextos específicos.

No entanto, por ser considerado o índice oficial do nosso país, o IPCA é o mais importante para a nossa economia, sendo, portanto, aquele que é utilizado como referência para a meta de inflação apresentada pelo Banco Central do Brasil.

A meta de inflação é definida anualmente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e serve como um guia para a política monetária. O objetivo é manter a inflação dentro do intervalo previsto, contribuindo para a estabilidade econômica.

Veja como se proteger da inflação

Descubra como se proteger da inflação
Veja como se proteger da inflação – Foto: Freepik

O melhor caminho para conseguir se proteger da inflação é investir em ativos que tenham desempenho capaz de superar ou, no mínimo, acompanhar o aumento geral de preços ao longo do tempo.

Investir em ativos relacionados à inflação é uma das estratégias mais seguras e comuns para essa finalidade. Dentre as opções, estão títulos do Tesouro Direto, CDB, LCI e LCA atrelados ao IPCA.

Títulos do Tesouro Direto (Tesouro IPCA+)

Títulos do Tesouro Direto atrelados ao IPCA oferecem uma proteção muito interessante contra a inflação, já que nesse tipo de aplicação, o investidor recebe uma taxa de juros fixa mais a variação do IPCA no período, o que vai garantir que você consiga se proteger da inflação.

Vale destacar que o Tesouro Direto é uma modalidade de investimento muito segura, já que ao investir nesse tipo de título, você está de certa forma, emprestando dinheiro para o Governo Federal.

CDB (Certificado de Depósito Bancário) atrelados ao IPCA

Alguns bancos emitem CDBs atrelados ao IPCA, oferecendo uma taxa de juros fixa mais a variação do índice de inflação. Sendo portanto, uma boa opção para quem deseja se proteger da inflação.

CDBs são títulos de renda fixa emitidos pelos bancos para captar recursos financeiros no mercado e destiná-los a clientes que precisam de crédito.

Esse tipo de título também conta com um excelente nível de segurança, sendo considerado uma aplicação financeira de baixo risco, em função da garantia oferecida pelo FGC – Fundo Garantidor de Crédito.

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) atreladas ao IPCA

Assim como acontece nos CDBs, também é possível encontrar LCIs e LCAs atreladas ao IPCA. Títulos dessa natureza são emitidos pelos bancos com o objetivo de captar recursos para financiar atividades do setor imobiliário e do agronegócio.

Além de ajudar você a se proteger da inflação, um dos grandes benefícios das Letras de Crédito é a isenção de Imposto de Renda para Pessoa Física.

Por fim, lembre-se que diversificar a sua carteira de investimentos é uma prática saudável. Sendo assim, considere aplicar os seus recursos em uma combinação de ativos atrelados à inflação com outros investimentos para maximizar sua rentabilidade.

Agora você já sabe como se proteger da inflação. Para mais conteúdos e informações sobre o mundo dos investimentos, continue navegando no Investirdor 10 e siga nossas redes sociais.