PL negocia apoio a anistia para Bolsonaro, diz jornal

O partido ficou sem representação na Mesa Diretora.

Author
Publicado em 11/05/2024 às 17:09h - Atualizado 1 mês atrás Publicado em 11/05/2024 às 17:09h Atualizado 1 mês atrás por Elanny Vlaxio
O PL busca uma anistia mais abrangente que inclua todos os condenados pelo STF(Shutterstock)
O PL busca uma anistia mais abrangente que inclua todos os condenados pelo STF(Shutterstock)

Após as eleições municipais, o PL planeja definir e comunicar as exigências em troca do apoio de suas bancadas aos candidatos do Centrão às presidências da Câmara dos Deputados e do Senado.

A principal condição será que o candidato se comprometa a apresentar ao plenário uma proposta de anistia ao ex-presidente Jair Bolsonaro, possibilitando seu retorno ao cenário eleitoral em 2026, segundo informações do jornal "Valor Econômico". 

⚖️ As lideranças do PL definiram o fim do segundo turno como um marco temporal, pois acreditam que, a partir desse momento, as campanhas para a sucessão dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), ganharão impulso. 

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, enfrenta pressão de uma ala dos deputados que deseja lançar um candidato para concorrer à cadeira de Lira.

Leia também: TSE marca julgamento de Moro para 16 e 21 de maio

Com uma bancada de 102 deputados federais e 13 senadores, sendo a maior na Câmara e a segunda maior no Senado, superada apenas pelo PSD, o apoio do PL a um candidato pode ser crucial para sua eleição. 

🚨 Após a derrota do senador Rogério Marinho (PL-RN) na disputa contra Rodrigo Pacheco em 2023, o PL ficou sem representação na Mesa Diretora. Diante disso, o partido tende a preferir estratégias de composição ao invés de insistir em candidaturas pouco competitivas.

Além do pedido de anistia para o ex-presidente, o PL busca uma anistia mais abrangente que inclua todos aqueles condenados ou processados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento nos atos de 8 de janeiro de 2023. 

Lideranças do partido também pretendem pressionar pela inclusão na agenda legislativa de temas relacionados a costumes, que têm sido negligenciados, como o projeto de lei da "Escola sem Partido", um dos principais pontos defendidos pelo bolsonarismo.