O que são derivativos e como investir?

Os derivativos são instrumentos financeiros sofisticados, cuja popularidade e importância no mercado financeiro têm crescido significativamente nas últimas décadas.

Author
Publicado em 25/05/2024 às 14:10h - Atualizado 22 dias atrás Publicado em 25/05/2024 às 14:10h Atualizado 22 dias atrás por Carlos Filadelpho
O que são derivativos e como investir
O que são derivativos e como investir

Os derivativos são instrumentos financeiros sofisticados, cuja popularidade e importância no mercado financeiro têm crescido significativamente nas últimas décadas.

Na prática, eles permitem que investidores e empresas gerenciem seus riscos, especulem sobre movimentos de preços e aproveitem oportunidades.

No entanto, sua complexidade e o potencial de alavancagem exigem que o investidor tenha um entendimento claro e estratégico sobre o funcionamento do mercado.

Diante disso, neste artigo, vamos explorar o que são derivativos, detalhar seus diferentes tipos e fornecer um guia prático sobre como investir neles, oferecendo insights essenciais para investidores que buscam aproveitar ao máximo essas ferramentas financeiras.

O que são derivativos?

Derivativos são instrumentos financeiros cujo valor deriva de um ou mais ativos reais, como moedas e commodities.

Atualmente, eles são utilizados para diversas finalidades, incluindo hedge (proteção contra riscos), especulação, arbitragem e gerenciamento de risco.

Dentre os principais tipos de derivativos, podemos destacar:

Contratos futuros: Acordos padronizados para comprar ou vender um ativo em uma data futura a um preço pré-determinado.

Contratos a termo: Semelhantes aos futuros, mas neste modelo as partes assumem sua posição e o valor negociado até o prazo final do contrato.

Opções: Instrumentos que dão ao comprador o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um ativo por um valor determinado, em uma data específica no futuro.

Swaps: Acordos para trocar fluxos de caixa futuros com base em diferentes ativos ou índices.

Funcionalidades e uso dos derivativos

Os principais usos dos derivativos estão ligados ao hedge, especulação e gerenciamento de risco cambial. Veja como funciona cada caso:

Hedge: Proteção contra variações adversas nos preços dos ativos subjacentes.

Exemplo: Um agricultor vende contratos futuros de trigo para garantir um preço fixo para sua colheita futura, protegendo-se contra uma possível queda de preços.

Especulação: Aposta na direção futura do preço dos ativos subjacentes para obter lucro.

Exemplo:Um trader compra opções de compra acreditando que o preço das ações subjacentes vai subir.

Gerenciamento de risco cambial: Empresas usam derivativos para gerenciar e mitigar riscos financeiros, como flutuações cambiais ou de taxas de juros.

Exemplo: Uma empresa com receitas em dólares e despesas em euros pode usar contratos a termo de câmbio para proteger-se contra a volatilidade cambial.

Vantagens dos derivativos

Confira algumas das principais vantagens relacionadas a realização de operações com derivativos:

Proteção contra variações de preço: Permite que empresas e investidores se protejam contra riscos financeiros específicos relacionados a variações no preço de moedas e commodities.

Alavancagem: Através de operações de alavancagem, quem investe em derivativos pode comprar posições maiores do que o capital disponível para investir.

Liquidez: Muitos mercados de derivativos possuem alta liquidez, o que facilita a entrada e saída de posições.

Desvantagens dos derivativos

Agora, é hora de conferir algumas das principais desvantagens associadas ao investimento em derivativos:

Complexidade: Para aplicar recursos em derivativos de forma assertiva, é muito importante que o investidor tenha um profundo conhecimento do mercado.

Risco de alavancagem: O uso de operações em alavancagem pode resultar em ganhos significativos, mas também eleva uma possível perda.

Risco de desvalorização dos ativos: Assim como em qualquer outra aplicação de renda variável, existe a possibilidade de obter ganhos, mas também existe o risco de perdas.

Influências de mercado: A cotação dos derivativos pode sofrer oscilações em função de fatores diversos que fogem do controle do investidor, como eventos naturais e políticas governamentais.

Derivativos são ferramentas financeiras poderosas e versáteis, amplamente utilizadas para diversas finalidades no mercado financeiro. No entanto, embora ofereçam várias vantagens, como proteção contra riscos e oportunidades de especulação, eles também oferecem riscos consideráveis.

Como investir em derivativos?

Investir em derivativos é uma estratégia avançada que requer um entendimento sólido dos mercados financeiros e dos próprios instrumentos derivativos.

Para ajudar você a compreender melhor o funcionamento desse tipo de instrumento, bem como, o que é preciso para investir, separamos algumas dicas. Confira!

1.Busque conhecimento

Antes de investir em derivativos, é importante entender como eles funcionam, o que inclui regras de operação no mercado, seus riscos e benefícios.

Para isso, considere fazer cursos sobre derivativos financeiros, assistir vídeos, bem como, ler livros e artigos especializados.

2.Defina seus objetivos

Determine quais são os seus objetivos ao investir em derivativos, como por exemplo, se proteger das variações negativas nos preços ou ganhar dinheiro com oscilações positivas nos preços.

Feito isso, selecione os derivativos que melhor atendem seus objetivos e perfil de risco, dentre eles:

Contratos: Bons para hedge e especulação em commodities, moedas e taxas de juros.

Opções: Úteis para investidores que buscam ganhar dinheiro com estratégias de especulação, mesmo sabendo que isso envolve riscos consideráveis.

Swaps: Comuns para gerenciamento de risco de taxas de juros e câmbio em empresas.

3.Escolha uma corretora

Para negociar derivativos, você precisará abrir conta em uma corretora que ofereça acesso ao mercado de derivativos.

Sendo assim, procure comparar as diferentes opções existentes no mercado, levando em consideração itens como suporte, taxas de corretagem e usabilidade das plataformas.

Após escolher a plataforma, basta seguir o procedimento para abertura da conta e depositar recursos financeiros.

4.Desenvolva sua estratégia de negociação

Desenvolva uma estratégia de negociação baseada nos seus objetivos e tolerância ao risco. Para isso, você pode considerar e fazer uso de:

Análise técnica: Utilize gráficos e indicadores técnicos para prever movimentos de preços.

Análise fundamentalista: Considere fatores econômicos, financeiros e outros dados fundamentais que podem afetar os preços dos ativos.

Gestão de risco: Estabeleça limites de perda (stop-loss) e metas de lucro (take-profit).

5.Execução e monitoramento

Execute as operações conforme sua estratégia e monitore constantemente suas posições.

Esteja ciente de que contratos futuros e outros derivativos podem ter ajustes diários de margens com base no preço de mercado.

Investir em derivativos pode ser lucrativo, mas também envolve riscos significativos. É fundamental ter uma base sólida de conhecimento, desenvolver uma estratégia clara, e utilizar uma gestão de risco rigorosa.

Se necessário, consulte profissionais financeiros ou advisors para orientações específicas sobre suas necessidades e objetivos de investimento.

Para mais conteúdos sobre investimentos e mercado financeiro, continue acompanhando o blog do Investidor10 e siga nossas redes sociais.