Prévia do PIB: IBC-Br sobe 1,68% nos últimos 12 meses, mas recua em março

Além disso, o índice avançou 1,08% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o trimestre anterior.

Author
Publicado em 15/05/2024 às 10:43h - Atualizado 2 meses atrás Publicado em 15/05/2024 às 10:43h Atualizado 2 meses atrás por Matheus Rodrigues

📊 A economia brasileira mostrou sinais mistos de desempenho no início de 2024, de acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), frequentemente visto como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB).

Em um período de 12 meses, até março, o IBC-Br apresentou uma expansão de 1,68%. Além disso, o índice avançou 1,08% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o trimestre anterior (outubro a dezembro de 2023), ajustado sazonalmente.

Este crescimento trimestral também foi refletido na comparação ano a ano, com um aumento de 1,04% no primeiro trimestre de 2024 sobre o mesmo período de 2023, segundo dados sem ajuste sazonal.

Esses números são alinhados com as previsões atuais do Banco Central, que projeta um crescimento do PIB de 1,9% para este ano, enquanto o governo tem uma expectativa mais otimista de 2,2%.

📉 No entanto, o desempenho mensal de março mostrou uma contração de 0,34% na série dessazonalizada, um recuo em relação ao crescimento de 0,34% observado em fevereiro.

Este resultado marca o pior desempenho mensal desde dezembro do ano passado, destacando volatilidades pontuais na trajetória de recuperação econômica do país.

Comparativamente, março de 2024 teve uma queda de 2,18% em relação ao mesmo mês do ano anterior, de acordo com os dados não ajustados.

Apesar dessa retração, março ainda registrou o segundo melhor desempenho para o mês desde o início da série histórica do Banco Central em 2003, indicando que, apesar dos desafios recentes, o mês geralmente apresenta resultados sólidos no contexto histórico.