Com adesão média, greve geral gera prejuízo de R$ 362 mi às companhias aéreas

Empresas tiveram que cancelar mais de 700 voos, segundo estimativa de associação do setor

Author
Publicado em 09/05/2024 às 14:27h - Atualizado 1 mês atrás Publicado em 09/05/2024 às 14:27h Atualizado 1 mês atrás por Wesley Santana
Pela manhã, ruas de Buenos Aires ficaram vazias. Foto: Reprodução/Página 12
Pela manhã, ruas de Buenos Aires ficaram vazias. Foto: Reprodução/Página 12

🛑 As principais cidades da Argentina amanheceram com uma certa calmaria, mostram fotos publicadas pelos principais jornais do país. Estava marcada para esta quinta-feira (9), uma greve geral organizada pela CGT (Confederação Geral do Trabalho).

Na capital Buenos Aires, o transporte público foi fortemente afetado, com a paralização de ônibus, linhas de metrô e trens. No comércio, porém, a adesão foi baixa, então era possível ver lojas, supermercados e shoppings funcionando normalmente.

No Senado, parte dos políticos também aderiu ao chamamento dos sindicatos e não foi à sessão desta quinta. Isso trava, por exemplo, a discussão de um pacote fiscal proposto pelo presidente Javier Milei.

🗣️ Leia mais: Índia e Japão respondem Biden que os chamou de 'xenofóbicos'

Nos aeroportos, apenas duas companhias aéreas operam normalmente, sendo uma delas estrangeira. Flybondi e American Airlines tiveram alguns de seus voos afetados, mas estão realizando saídas apenas de um dos dois maiores aeroportos do país, o de Ezeiza, na Província de Buenos Aires.

Um cálculo feito pela Cãmara de Linhas Aéreas da Argentina estima que as empresas vão absorver um prejuízo de 62 bilhões de pesos, equivalente a R$ 362 milhões pela greve, já que 701 voos de ou para a Argentina foram cancelados. “Muitos de nossos associados já notificaram seus passageiros sobre reagendamentos e/ou cancelamentos e estão há dias abrindo seus canais de Atendimento para oferecer alternativas”, disse o órgão.

Essa é a segunda greve geral convocada contra as medidas do governo Milei desde a sua eleição, em novembro do ano passado. O foco é fazer um movimento contra as propostas econômicas, mas abrange também outras ideias enviadas ao Congresso pelo líder do Executivo argentino.

Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou o texto chamado de “lei omnibus”, que traz mudanças em questões de privatização, abre caminho para reformas trabalhistas e políticas, dando mais poder ao presidente da República. Depois de meses de negociação e algumas cessões por parte do governo, a votação teve um placar de 142 votos a favor, 106 contra e 5 abstenções.

O texto agora segue para análise do Senado, que deve aprovar o mesmo formato para que não tenha que passar por uma nova votação na Cãmara. A base governista tem um grande desafio nas mãos, já que conta com apenas sete dos 72 senadores da Casa.