Quando se fala de Bolsa de Valores e de investir em ações, muitos faltam sair correndo. Isso porque acreditam que investir na B3 é a coisa mais difícil do mundo,que existem muitos riscos de investir ou como é bem comum também de se pensar, que é preciso ser muito rico para conseguir investir.

Riscos de investir em ações
Riscos de investir em ações – Foto: Freepik

No entanto, as duas teorias estão completamente erradas. Investir na Bolsa de Valores não é um “bicho de sete cabeças”, apenas é algo diferente que nem todos estão acostumados a lidar.

O problema é que quando nos deparamos com o diferente, nós tendemos a ficar com medo, e considerar as piores coisas sobre, mas é importante que aqueles que pensam dessa forma saibam que as coisas não são bem assim.

Como afirmamos antes, pensar que só pessoas muito ricas podem investir na bolsa, é um equívoco enorme. Porque se você pesquisar, poderá encontrar ótimas oportunidades, que não lhe exigem investir tanto.

Mas é isso, resumindo, não tenha medo do novo e não julgue um livro pela capa, se você tem interesse de participar desse mercado, busque conhecimento e não se deixe levar pelos seus temores.

Talvez você esteja pensando assim, vocês não estão sendo irônicos demais ao dizer que a investir na B3 não é tão complicado assim, e ao mesmo tempo estarem escrevendo um artigo sobre o risco de investir em ações?

Não, não estamos sendo.

Investir em ações, assim como qualquer outro tipo de investimento que possa querer realizar, todos eles lhe proporcionam algum grau de risco. E os maiores riscos que você corre quando investe, costumam nem ser em relação ao investimento em si, mas sim na falta de preparo para realizar aquele tipo de investimento.

Com as ações isso é mais delicado ainda. Mas antes de entrarmos nesse contexto, queremos relembrar o que são as ações e suas principais características.

O que são ações e o que elas representam para seus investidores?

Em resumo, ações são pequenas partes da propriedade de uma companhia. Conhecidas comumente ainda, como “papeis”. As ações compõem o capital social de uma companhia, o que as caracterizam como títulos emitidos por empresas denominadas como sociedades anônimas.

Deter uma ação, quer dizer que você dispõe de direito em cima dos ativos de uma companhia. Desse modo, quanto mais ações você adquire, mais participação na empresa você terá.

Como vocês sabem, essas pequenas partes de uma empresa que são as ações, fazem parte do grande catálogo de possibilidades que a B3 oferece a você para poder investir.

Dispostas na Bolsa de Valores, elas podem sofrer influência direta de várias coisas que podem afetar totalmente o seu valor no mercado. Mas entraremos nisso quando começarmos a falar dos riscos em investir em ações.

Além muitas outras coisas podem afetar o preço das ações, por exemplo, existe o que entendemos como a “lei da oferta e procura”, o que significa que quanto mais pessoas procurarem comprar ações de determinada empresa mais estas ações vão ser valorizadas, o mesmo acontecerá caso ocorra o contrário, quanto maior o número de pessoas vendendo ações dessa empresa em questão, maior será a desvalorização de suas ações.

Existem dois tipos de ações no mercado:

Ações Ordinárias (ON)

São aquelas que permitem ao seu portador o direito de voto nas assembleias da companhia. No entanto, para o investidor menor isso não é de grande valia, já que a influência sobre a votação ocorre de acordo com o poder acionário que você detém.

Ou seja, quanto mais ações você dispor, mais poder de voto e influência você terá e a pessoa que deter o maior número de ações terá o direito de ser administrador da empresa.

Uma das coisas que mais atrai o investidor que compra esse tipo de ação, incluindo os investidores menores, é dispor do direito em participar do rendimento quando a empresa for vendida ou transferida para o controle de outra companhia, esse processo conhecido ainda como tag along.

Ações preferenciais (OP)

Diferentes das ações ordinárias, essa modalidade de ações não permite aos seus portadores o direito de voto em suas assembleias e usualmente não dispõem da oferta de tag along também.

Entretanto, a Lei das sociedades anônimas disponibilizam outros privilégios para os seus acionistas, como a preferência no momento de restituição do capital investido e primazia no recebimento de dividendos, sejam eles mínimos ou fixos.

A restituição do capital só ocorre quando a companhia é liquidada, todos os seus serviços são encerrados e os seus ativos foram vendidos.

Desse modo, se as ações preferenciais compradas dispõem desse privilégio, os acionistas terão preferência no recebimento, isso logo após os credores da companhia e antes dos investidores em ações ordinárias, com intuito de que assim, se reduza os prejuízos.

As empresas além de oferecerem os benefícios anteriores para aqueles que detém de ações preferenciais suas, eles também precisam como está estabelecido pela Lei das sociedades anônimas, garantir aos acionistas preferenciais no mínimo um dos benefícios listados a seguir: (a) direito de participação no rendimento obtido na venda ou transferência da companhia (tag along) e dividendo no mesmo valor das ON; (b) direito de ganhar dividendo de no mínimo 10% a mais do que é conferido para cada ON; (c) direito de participação nos dividendos que serão distribuídos, equivalente a no mínimo 25% do lucro líquido do desempenho, em uma da opções a seguir: dividendo de 3% do valor do capital líquido de cada ação, em paridade de oportunidade com as ON, ou, ganho mínimo ou fixo, se a empresa oferecer preferência na recepção de dividendos das ações preferenciais.

Agora que relembramos a você sobre o que são ações e as suas principais características, chegou na hora de abordarmos sobre os principais riscos que perpassam esse tipo de investimento.

Riscos de Investir em Ações: Externos

riscos de mercado
Riscos de mercado – Foto: Freepik

Risco de Mercado

O risco em questão, ocorre quando o valor da ação sofre uma queda que se originou devido a uma oscilação macroeconômica externa. Ou seja, uma oscilação que está totalmente fora do controle da empresa, uma variação completamente externa.

Como o preço das ações flutuam de acordo com as perspectivas de mercado e as ocorrências do mesmo, essas interferências externas dispõem de total poder para alterar o valor das ações, mas não somente no preço delas. Ela variação pode interferir ainda nos juros que são passados para os clientes, na inflação, e também no alto índice de desemprego.

Risco da Empresa

Outro ponto que pode oferecer um grande risco ao investidor em ações, são as empresas. Antes de comprar ações de uma determinada empresa, é essencial que você pesquise muito sobre a mesma antes.

Busque avaliar se é uma empresa que está em crescimento; os dados financeiros completos da empresa, seus lucros, suas dívidas, tudo que estiver relacionado ao financeiro; e observe ainda, a administração da empresa, se ela é sólida ou dispõe de pulso fraco e inconstante.

Esse é um fator muito importe a se atentar, porque o modo como a empresa se apresenta no mercado, também tem poder para ditar os valores de suas ações, isso inclui a oscilação no valor das mesmas.

Empresas que passam por muitas dividas, ausência de lucros e uma desestabilização administrativa, tendem a ser mal avaliadas no mercado financeiro. O que faz o preço de suas ações caírem e dificuldade em vender esse tipo de ativo, então observe bem os dados da empresa antes de fazer uma aquisição.

Risco da Inflação

A inflação ocorre devido à desvalorização da moeda. Ter algum nível de inflação, é algo comum, no entanto, quando esses níveis são muito altos, os indivíduos que estão sobre a influência dessa inflação sofrem perda de força aquisitiva, o que como consequência abala as receitas das empresas. 

Este é um risco de característica sistemática, que afeta todos que estão a mercê dessa alta na inflação, e as ações não são diferentes. Como elas estão ligadas ao mercado, e o mercado está sofrendo por causa da alta na inflação, elas também vão sofrer com isso.

É uma consequência que não dá para ser impedida. Porém, é possível que você consiga diminuir os danos da inflação, se escolher empresas que sejam mais fortes.

O que estamos dizendo com isso? Estamos dizendo que apesar de todas as ações sofrerem uma oscilação quando a inflação está alta, algumas são mais frágeis a lidarem com esse momento que outras.

Existem empresas que conseguem facilmente remanejar os preços que a inflação lhe proporcionou, para os seus clientes. No entanto, nem todas as empresas podem agir dessa forma, o que fará ela sentir um baque maior com a inflação.

E mesmo as empresas que dispõem da facilidade em repassar a os valores da inflação, elas ainda contam com um limite no que diz respeito a passar ao cliente esses valores, ou os clientes também não aceitaram e logo vão param de efetuar compras.

Como este é um risco que se caracteriza como sistemático, não tem como remanejar as perdas em relação a inflação com diversificação, porque por mais que a empresa seja menos sensível a esse momento, ela ainda passará por baixas.

Dessa forma, o melhor a se fazer em um momento como este, é ampliar a sua carteira para investir em uma outra moeda que seja mais forte e detenha menos inflação. 

Risco de Juros

Juros
Juros – Foto: Freepik

Os juros no mercado podem afetar os valores das ações em dois aspectos:

Primeiro está relacionado ao custo de oportunidade. Isso quer dizer que quando os juros estão muito altos, as pessoas tendem a migrar para os investimentos de renda fixa.

Dessa forma iniciará uma competição entre os dois tipos de renda. Renda fixa que oferece mais segurança e estabilidade; e renda fixa que oferece mais riscos, mas também mais chances de retorno financeiro.

O risco de juros, é outro risco de característica sistemática. E para se gerenciar os prejuízos as opções são: migrar para renda fixa, ou hedge.

O segundo aspecto é de característica específica, que é quando algumas empresas e alguns segmentos são mais sensíveis ao aumento das taxas de juros.

Nesse caso, a melhor forma para se proteger é diversificar a carteira de investimentos, passando a deter menos presença nos segmentos que são mais sensíveis a juros.

Riscos relacionados ao país

Este tipo de risco está diretamente relacionado a riscos institucionais, políticos e sociais. Como por exemplo troca de presidente, decisões políticas que afetam empresas ou setores específicos, entre outras notícias desse tipo.

Aí você pode estar se perguntando, mas o que isso tem a ver com o mercado acionário?

Tem a ver, porque quando ocorre mudanças de nível institucional, como novas leis de proibição e coisas do tipo, as empresas podem ser abalas e isso pode proporcionar uma queda no valor das ações.

No risco país assim como no risco juros, existem dois aspectos que o perpassam, sistemático e especifico. No sistemático, que é quando o governo toma algum tipo de atitude que abale a economia nacional, ou até mesmo crie desconfiança no mercado estrangeiro.

Decisões desse tipo podem afetar diferentes tipos de segmentos, e com isso afetar os preços das ações que representam esses setores na bolsa. Nesse caso, a única forma para proteger de grandes perdas, seria alocar seu investimento para o mercado estrangeiro.

No que se refere a característica específica, você consegue fazer o gerenciamento por meio de diversificação em sua carteira de investimentos, se afastando mais dos segmentos que estão mais sujeitos as decisões do governo.

Riscos Cambiais

Assim como nos riscos de juros e de país, aqui temos também os riscos sistemáticos e os específicos.

As empresas não se encontram isolados do mundo externo, inclusive, muitas contam com várias matérias primas de origem internacional. O que permite que a oscilação do câmbio afete diretamente em suas finanças.

Grande parte dos riscos de câmbio, são de características especificas. O que quer dizer que afetam principalmente as empresas que dispõem de grande presença no setor internacional. 

Para se proteger desse tipo de risco, por eles serem em sua grande maioria riscos específicos, você mais uma vez pode utilizar a diversificação da carteira em seu favor e variar os seus investimentos.

Risco da Corretora

A função da corretora de valores é intermediar entre você investidor e as empresas dispostas na bolsa. Mas se a sua corretora quebrar e tiver que fechar as portas, isso não vai poder acontecer mais.

Suas ações continuaram sendo suas ações, elas serão guardadas pela Câmara de Ações. Mas o saldo que você ainda detinha naquela corretora, pode ser confiscado se a corretora for a falência.

Uma corretora ir à falência, não é algo que acontece todos os dias, pelo ao contrário, é algo que raramente acontece. No entanto, ainda é um risco que se apresenta quando falamos em investir em ações.

Riscos de Investir em Ações: Internos

Em grande parte, o maior risco que você sofre ao investir, não está relacionado as condições externas, mas sim as condições internas. Ao seu estado emocional e a falta de preparação para entrar nesse mercado.

Por isso vamos retratar alguns pontos onde muitos têm pecado, e vivido muitas perdas financeiras por causa desses fatores. Esteja atento a nossa listinha de comportamentos somente seus, que podem afetar altamente o seu desempenho ao investir.

Excesso de confiança

Ter confiança é algo bom quando falamos de investir. Mas excesso de confiança? Isso já pode ser algo bem ruim e é um dos riscos de se investir.

Quando a pessoa confia demais e acredita que já sabe tudo sobre o mercado, ela se inclina a realizar aplicações sem fazer verificação, o que pode lhe proporcionar perdas grandiosas.

Para que os riscos ao investir sejam menores, é essencial que você verifique todas as empresas antes de investir nas mesmas. Por mais que você já conheça a empresa, ela sempre pode te mostrar algum dado novo que é totalmente inédito a você. Então nunca deixe de analisar antes de investir. 

Especular, um dos riscos de investir em ações

Se você costuma ficar o tempo todo especulando se a ação vai cair ou subir, e fica realizando compras e vendas de ações sempre, precisamos dizer que você está perdendo mais do que ganhando.

Existem métodos que realizam esse tipo de estratégia de comprar e vender no mesmo dia? Existe. Mas não é por especulação. É uma estratégia especifica que o mesmo segue, para atingir os seus objetivos.

Estudar o mercado é ótimo, mas especular não. Estudar é totalmente diferente de especular. Quando você estuda o mercado, você analisa por meio de métricas e diferentes dados que a empresa apresenta, como ela está no mercado e qual a tendência para os próximos tempos.

Mas quando você especula, você está praticamente dando um tiro no escuro. Você usa o “achometro” para dizer se a ação vai subir ou descer, e isso não é algo preciso, nem muito inteligente.

É uma ação emocional de medo de perder, ou até mesmo ambição para ganhar demais, porém ao fazer isso você só está perdendo mais. 

Descontrole Emocional

Como já abordamos aqui anteriormente, não controlar as emoções pode lhe gerar erros trágicos e perdas mais trágicas ainda.

Quando falamos de investir, os melhores resultados estão a longo prazo. Muitos conseguem atingir resultados favoráveis a curto prazo? Sim, mas mesmo estes, os melhores resultados para eles também bem a longo prazo.

Se observarmos o mercado todos os dias, vamos perceber que oscila constantemente. Agora as ações podem estar em alta, mas no meu da tarde elas podem começar a cair, e isso é completamente normal.

Por isso você não pode ser uma pessoa emocional demais. Respire fundo, estude o mercado, monte uma boa estratégia, escolha ações que estão de acordo com esse planejamento estratégico, assim como com seu perfil e objetivos.

Não haja pelas emoções, seja um investidor consciente e esteja a um passo de se tornar um grande investidor de sucesso.

Ausência de um Método

Quais os riscos de investir em ações?
Método – Foto: Freepik

Nossa, esse é outro fator que faz muitas pessoas caírem no buraco. Ou melhor, a ausência desse fator, é o motivo pelo qual as pessoas cavam as suas próprias covas.

Muitos começam a investir seguindo apenas o conselho de pessoas ou o que ele acha melhor, sem se atentar para os métodos que existem no mercado que podem lhe ajudar a reduzir os erros, e consecutivamente as perdas.

Se você deseja começar a investir em ações e deseja reduzir o máximo de perdas, busque estudar os métodos que existem no mercado, identifique qual melhor se encaixa no seu perfil e caia de cabeça nele.

Estude bastante, siga as instruções corretamente e caminhe para a possibilidade de bons lucros.

Falta de Diversificação

O último tópico que vamos trazer aqui como risco de se investir em ação, é a falta de diversificação da carteira de investimentos.

Muitos quando começam a investir tendem a escolher aquele setor que ele mais conhece no mercado, e mais lhe agrada. Porém, investir muitos recursos em poucos setores, é um risco muito grande. Porque se ocorrer uma queda repentina nas ações daqueles setores, você vai ter uma perda muito grande de uma vez só.

Por isso é essencial, que além de escolher bem as empresas nas quais você comprará os títulos que elas oferecem, é importantíssimo que você também se atente a diversificação dessas empresas.

Diversifique os setores, escolha boas empresas, e se possível invista em uma moeda estrangeira, isso lhe proporcionará balanço na carteira e lhe oferecerá mais garantias para quando a nossa moeda estiver mais desvalorizada e a economia do país não estiver oferecendo um bom momento.

Mas e agora, o que fazer diante dos riscos de investir em ações?

A escolha é sempre sua, nunca se esqueça disso. Mas se este é um sonho que você tem, não deixe que os seus medos impeçam que você chegue onde quer.

Existem riscos de investir em ações? Sim, mas riscos existem em qualquer tipo de investimento que você vá fazer. O necessário é se preparar, e não investir cegamente.

Praticamente, para cada um dos riscos de investir que vimos aqui, nós também vimos uma forma para nos precaver sobre eles. Ou seja, existem riscos, mas também existem métodos e estratégias que podem nos auxiliar a reduzir os mesmos.

Então não precisa deixar de investir só porque teme os riscos que esse tipo de investimento pode ter, basta você buscar estudar o assunto, que você vai ver como pode ser fácil driblar grande parte desses riscos.

Você já deve ter ouvido em algum momento da sua vida que “Conhecimento é poder”, e tenho que te dizer que isso é totalmente verdade. Não estou falando de conhecimento acadêmico em si, mas falo de conhecer onde você está pisando.

Você não precisa ser um profissional em economia para investir, mas é bom que você entenda pelo menos o básico sobre o ambiente onde você deseja investir. E estamos aqui exatamente para lhe ajudar, por isso trouxemos esse artigo para você.

Obrigada por estar conosco até aqui. Não esqueça de deixar seu comentário e suas dúvidas, é sempre um prazer ajudar você a chegar um pouco mais perto de alcançar o que almeja. Não se esqueça também de ler os nossos outros artigos, eles podem te ajudar muito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui