Campos Neto diz que é importante "insistir na manutenção da meta fiscal"

Fala foi dita durante o evento "E agora, Brasil?", em São Paulo

Author
Publicado em 17/11/2023 às 13:08h - Atualizado 8 meses atrás Publicado em 17/11/2023 às 13:08h Atualizado 8 meses atrás por Juliano Passaro
Roberto Campos Neto, presidente do BC (Ag.Brasil/Lula Marques)
Roberto Campos Neto, presidente do BC (Ag.Brasil/Lula Marques)

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse, nesta sexta-feira (17), que o governo brasileiro precisa se esforçar para alcançar os objetivos fiscais determinados pelo Ministério da Fazenda. A fala foi dita durante o evento "E agora, Brasil?", organizado pelos jornais "O Globo" e "Valor Econômico", em São Paulo.

“Independentemente das dificuldades, é importante insistir na manutenção da meta fiscal”, disse Campos Neto.

Veja também: Prévia do PIB, IBC-BR recua 0,06% em setembro

“A gente tem uma diferença grande entre a previsão do mercado e a meta do governo. Existe possibilidade de obter receitas com algumas correções de distorções”, complementou o presidente do BC.

Na última quinta-feira (16), o relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024, deputado Danilo Forte (União-CE), afirmou que o governo confirmou que desistiu oficialmente de enviar uma emenda alterando a meta fiscal de déficit zero para o ano que vem.

Campos Neto destaca mercado de trabalho

O presidente do Banco Central falou sobre o mercado de trabalho e destacou que enxerga resiliência neste quesito em todo o mundo.

“Não tem sobra de mão de obra no mercado. Em grande parte, estamos com um desemprego menor que antes da pandemia”, afirmou.

Apesar disso, Campos Neto ressaltou que o mercado de trabalho "apertado" pode ser um risco para a desinflação.

"Há uma subida de salários reais em alguns lugares, portanto, não vai haver uma grande desinflação de salários", disse o presidente da autarquia monetária.